(61) 3226 - 9477

Qualidade de vida no trabalho

Há mais de duas décadas os médicos americanos Friedman e Roseuman constataram que ataque cardíaco prematuro era a consequência previsível de um tipo de comportamento crônico, autodestrutivo, representado por indivíduos com características tensa, apressada e impaciente, propensas à hostilidade.

Evidências têm demonstrado que não é a situação que causa o stress que afeta à saúde, mas a reação que se tem a ele. Para melhor controlá-lo é importante conhecer como ele afeta o nosso organismo.

Se uma pessoa percebe uma situação como ameaçadora, seu corpo libera hormônios capazes de alterar as funções fisiológicas como pressão arterial, frequência cardíaca e respiratória, assim está iniciado o mecanismo de luta ou fuga. Quando esta pessoa age de forma a administrar esta ameaça, o organismo volta ao normal, porém, se não há uma ação ou algo que impeça a pessoa de agir, o estado fisiológico continua podendo causar sérios danos à saúde, o que pode significar redução no sistema imunológico, tornando-o propenso à fadiga e menos resistente às doenças.

O Dr. Haus Selye define o stress como qualquer pressão imposta à pessoa. Esta pressão pode ser de origem física, psicológica ou psicossocial. A situação ou fato que produz o stress pode ser positivo ou negativo. O negativo, DISTRESS é causado pelas frustrações e problemas diários e o positivo, EUSTRESS é causado pelas coisas excitantes que acontecem como: gravidez, promoção no trabalho, compra de uma casa. Mesmo que as reações emocionais aos dois tipos de stress sejam completamente diferentes, as respostas fisiológicas são iguais.

O papel profissional resulta em fontes de tensão quando as condições de trabalho são deficientes, quando há pressões de tempo e limites de prazo, além de relacionamentos difíceis com superiores, colegas de trabalho e clientes. A rotina diária impõe situações difíceis como ter que enfrentar tráfego intenso, ônibus cheio, filas intermináveis em todos os locais e salários muitas vezes não condizentes com nossas expectativas.

“Viver significa aprender a coexistir com o stress; apenas a morte nos libera do stress”, disse o médico Haus Selye, considerando o pioneiro nos estudos relacionados ao stress e suas consequências. Portanto, não queiramos evitá-lo, mas aprender a “gerenciá-lo”, efetivamente para que possamos viver com eficiência e vigor.

Respostas físicas e psicológicas

A qualidade de vida está mudando. Temos mais papéis a desempenhar e menos tempo para o enriquecimento pessoal. Corremos todo o tempo, comemos rápido, dormimos menos, não temos tempo para descansar e conhecer pessoas. Este contexto nos transforma em indivíduos solitários e muitas vezes ansiosos e tristes. O estado psicológico negativo causa no organismo os sintomas do stress.

Uma das primeiras reações que temos quando confrontados com stress é relacionada à nossa respiração; ela fica alterada, respiramos mais rápido e inalamos menos oxigênio. O sistema nervoso central é envolvido e nossos músculos tornam-se rígidos e tensos particularmente os dos ombros, pescoço, as costas e os maxilares. Esta contração é responsável por espasmos musculares como dor de cabeça, nas costas ou no peito. As mãos e os pés tornam-se frios e suados. Outros sintomas incluem aceleração cardíaca, palpitação, secura na boca e na garganta, suor generalizado, tremor nas pálpebras, prisão de ventre, sensação de má digestão, diarreia.

São comuns ao stress os sintomas que refletem irritabilidade, fadiga crônica, dificuldades para dormir, fraqueza, alteração do apetite bem como o aumento do consumo de cigarros, bebidas alcoólicas e outras drogas e dificuldade de concentração. Estes sintomas mencionados são considerados sinais, um alerta à pessoa de que algo não vai indo bem. Entretanto, se estes sinais forem mantidos por muito tempo, a tensão tenderá a tornar-se maior do que o organismo tolera; aumenta-se risco de ataque do coração, hipertensão, derrame, tontura, desmaio, insônia, enxaqueca, úlcera, colite, depressão e ansiedade.

Os cardiologistas americanos observam que as vítimas de problemas cardíacos têm algumas características em comum. São altamente competitivas, autocríticas, compulsivas e sentem-se culpadas quando estão descansando, quase sempre fumam muito, são obesas e sedentárias.

Administração do stress

Como vimos, várias e diferentes são as fontes de stress e os efeitos que ele pode provocar em nosso organismo. No entanto, se não é possível evitá-lo, podemos administrá-lo. Técnicas e exercícios simples, muitas vezes feitos no próprio ambiente de trabalho, poderão ajudá-lo a aliviar tensões e contribuir para uma vida profissional mais saudável.

 

1. Exercícios físicos

Os exercícios físicos são fundamentais ao equilíbrio e as funções vitais do organismo. Escolha, para tanto, exercícios de baixo impacto, que envolvam movimentos aeróbicos como a caminhada, a corrida, a natação e a dança. É importante que você aprecie o exercício para que se mantenha motivado.  

A caminhada tem sido bastante indicada. Seus benefícios são inúmeros, queima calorias sem aumentar o apetite, reduz a tensão, ansiedade e pressão arterial; e pode ser extremamente agradável dependendo do local.

O sucesso dos exercícios físicos depende de você:

• Respeite seu corpo e seu ritmo.

• Exercite-se diariamente.

• Discipline sua mente. Seja decidido.

• Observe os resultados.

 

2. Alimentação

Alguns alimentos consumidos diariamente prejudicam o metabolismo fisiológico, sobrecarregando o organismo. É o caso da cafeína, açúcar refinado e da carne vermelha. Os vegetais e frutas são ricos em vitaminas e fibras, fazem com que o organismo renove as energias necessárias ao seu funcionamento normal. Alimentos ricos em magnésio são particularmente indicados.

A ingestão de boa quantidade de vitamina C e de vitamina do grupo B é essencial. A vitamina C provém de frutas e hortaliças verdes, enquanto que a vitamina do complexo B é encontrada nos cereais integrais, nos ovos, peixes e levedo de cerveja.

 

3. Qualidade de Vida

Alguns comportamentos e atitudes diante da vida são fundamentais no controle do stress:

• Esteja disponível ao contato social.

• Deixe de competir em tudo o que faz. Estimule a cooperação.

• Não critique as pessoas, procure nelas as características positivas.

• Estabeleça para si próprio expectativas razoáveis.

• Reconheça os erros que comete.

• Desenvolva seu lado lúdico.

• Use a criatividade para criar alternativas na solução de seus problemas.

• Desenvolva uma percepção positiva e otimista diante da vida.

• Expresse seus sentimentos.

• Faça exercícios de relaxamento.

 

Técnica rápida de relaxamento

Este exercício pode ser feito sentado ou deitado.

1. Cruze as mãos atrás da cabeça e force os cotovelos bem para trás.

2. Estenda as pernas procurando esticar todos os músculos. Direcione as pontas das orelhas para frente.

3. Puxe fortemente os músculos da barriga e sinta-os. Retenha o ar.            

4. Conte até sete.

5. Com uma suave expiração relaxe todos os membros.

6. Sinta o relaxamento em profundidade.

7. Estique-se, alongue-se e boceje como um gato após uma soneca ao meio-dia.